trânsito

e aí eu me faço de contrário
corro rio, pulo mato
escancaro meus dois pés
no seu mau jeito

faço duas coisas
ao mesmo tempo
cego e céu
olho e carro

meu asfalto se enche de buracos
que entopem a cidade
e seus parques

vou mais longe quando paro
esqueço os olhos ligados
vejo outros horizontes
mesmo sem pegar o sol

sou todo ouvidos
mas falo mais
quando vou à esquerda
a contragosto dos demais

v.abreu

Nenhum comentário: