quantas noites

como quem chega perto
se vai calado
brigando com o escuro
fingindo assombração
tem uma tese sobre passos
e se apoia na ponta dos pés
como quem vai dançar e cair
até sair, até sair, até saí

como quem enxerga
vai fechando os olhos
até ver a janela e luzes da cidade
e seus pensamentos de quem dorme
pouco a pouco se cobre
e descobre o frio das veias saltadas
como quem vai explodir
até sumir, até sumir, até sumi

como quem respira
vai engolindo o ar
até engasgar
com o vento sul que chegou depressa
como quem apressa o tempo
e o mau chegar
que nunca chegou antes de avisar
a hora do soco
até apagar, até apagar, até apag...

v.abreu

Nenhum comentário: